Nossos filhos e netos são moldados pelos genes que eles herdam de nós, mas novas pesquisas revelam que experiências de dificuldades ou violência também podem deixar sua marca.

Em 1864, perto do fim da Guerra Civil dos EUA, as condições nos campos de prisioneiros de guerra da Confederação estavam em seu pior momento. Havia tanta superlotação em alguns campos que os prisioneiros, soldados do Exército da União do norte, tinham cada um o mesmo número de de um túmulo. As taxas de morte dos presos dispararam.

Para aqueles que sobreviveram, tais experiências angustiantes marcaram muitos deles por toda a vida. Eles retornaram à sociedade com problemas de saúde,  perspectivas ruins de emprego e menor expectativa de vida. Mas o impacto dessas dificuldades não parou com aqueles que a experimentaram. Também teve um efeito sobre os filhos e netos dos prisioneiros, que pareciam ser transmitidos pela linhagem masculina nas famílias.

Embora seus filhos e netos não tivessem sofrido as dificuldades dos campos de prisioneiros de guerra – e mesmo estando bem providos na infância – eles sofreram taxas mais altas de mortalidade do que a população em geral. Parecia que os ex-combatentes tinham passado algum elemento de seu trauma para seus filhos.

 

Mas, ao contrário da maioria das condições herdadas, isso não foi causado por mutações no próprio código genético. Em vez disso, os pesquisadores estavam investigando um tipo de herança muito mais obscura: como os eventos na vida de uma pessoa podem mudar a forma como seu DNA é expresso e como essa mudança pode ser passada para a próxima geração.

Este é o processo de epigenética, onde a legibilidade, ou expressão, dos genes é modificada sem alterar o próprio código do DNA. Pequenas informações químicas são adicionados ou removidas de nosso DNA em resposta a mudanças no ambiente em que estamos vivendo. Essas informações, ativam ou desativam os genes, oferecendo uma maneira de se adaptar às mudanças de condições sem impor uma mudança mais permanente em nossos genomas.

Os efeitos do trauma podem ecoar várias gerações, desde o avô até o filho e depois até o neto (Crédito: Alamy / Getty Images / BBC)

Mas se essas mudanças epigenéticas adquiridas durante a vida puderem ser transmitidas às gerações futuras, as implicações seriam enormes. Suas experiências durante a sua vida – particularmente as traumáticas – teriam um impacto muito real em sua família para as próximas gerações. Há um número crescente de estudos que apoiam a ideia de que os efeitos do trauma podem reverberar as gerações através da epigenética, e as constelações familiares são uma prova disso.

Para os ex prisioneiros destes campos, nos campos da Confederação, essas mudanças epigenéticas foram resultado da superlotação extrema, falta de saneamento e desnutrição. Os homens tinham que sobreviver com pequenas rações de milho e muitos morreram de diarreia e escorbuto.

“Há esse período de intensa fome”, diz a autora do estudo, Dora Costa, economista da Universidade da Califórnia, em Los Angeles. “Os homens foram reduzidos a esqueletos ambulantes”.

Os filhos dos ex-prisioneiros destes campos de concentração,  tiveram uma taxa de mortalidade 11% maior do que os filhos de veteranos que não foram prisioneiros.

Costa e seus colegas estudaram os registros de saúde de quase 4.600 crianças cujos pais eram prisioneiros, comparando-os com pouco mais de 15.300 crianças de veteranos da guerra que não haviam sido capturadas.

Os filhos de Prisioneiros tiveram uma taxa de mortalidade 11% maior do que os filhos de veteranos não prisioneiros. Outros fatores, como o status socioeconômico do pai e o trabalho do filho e o estado civil, não poderiam explicar a maior taxa de mortalidade, descobriram os pesquisadores.

Este excesso de mortalidade foi principalmente devido a taxas mais elevadas de hemorragia cerebral. Os filhos de veteranos prisioneiros, também tinham uma probabilidade maior de morrer de câncer. Mas as filhas de antigos Prisioneiros, pareciam ser imunes a esses efeitos.

Esse padrão incomum de vinculação sexual foi uma das razões que levou Costa a suspeitar que essas diferenças de saúde eram causadas por mudanças epigenéticas. Mas primeiro Costa e sua equipe tiveram que descartar que isso era um efeito genético.

Mas e se esse risco aumentado de morte fosse devido a um legado do trauma do pai que não tinha nada a ver com o DNA? E se os pais traumatizados tivessem maior probabilidade de abusar de seus filhos, levando a consequências de longo prazo para a saúde, e os filhos suportariam o peso mais do que as filhas?

Crianças nascidas de homens antes de se tornarem Prisioneiros não tiveram um aumento na mortalidade. Mas os filhos dos mesmos homens depois da experiência do campo de prisioneiros de guerra fizeram.

Muitas das vezes em que se pensa que o trauma ecoou as gerações através da epigenética nos seres humanos estão ligados aos momentos mais sombrios da história. Acredita-se que guerras, fomes e genocídios tenham deixado uma marca epigenética nos descendentes daqueles que sofreram traumas.

Por alguma razão, o trauma parece ser mais fortemente passado de pais para filhos (Crédito: Alamy / Getty Images / BBC)

Estudos na Suécia,  em aldeias remotas da Suécia, mostram que nas regiões onde aconteceu a escassez de oferta de alimentos, ocorreu um efeito geracional na linha masculina, mas não na linha feminina.

A mesma questão foi comprovada em um pequeno grupo de filhos de homens sobreviventes ao holocausto. As crianças que nasceram após os episódios traumáticos nos campos de prisioneiros, apresentavam também memórias ligadas ao trauma.

Diante destas evidências foram feitas pesquisas usando uma população de ratos. Era dado um pequeno choque no rato macho, ao mesmo tempo em que era liberado no ar uma fragrância semelhante à cerejeira. Os filhotes machos que nasceram depois do experimento evidenciavam reações de estresse, quando havia no ar a fragrância de cerejeira. Mesmo que os filhotes de rato depois de nascidos, fossem  criados por famílias que não tinham passado pela experiência, eles experimentavam  a mesma reação ao cheiro.

Não é que o medo esteja sendo transmitido por gerações – é que o medo em uma geração leva à sensibilidade na próxima

A segunda e a terceira geração pareciam não ter medo do perfume em si, mas sim de uma sensibilidade aumentada para ele.

As consequências de transmitir os efeitos do trauma são enormes, mesmo que sejam sutilmente alteradas entre as gerações. Isso mudaria a maneira como vemos nossas vidas no contexto da experiência de nossos pais, influenciando nossa fisiologia e até mesmo nossa saúde mental.

A ideia de que o efeito de uma experiência traumática pode ser passada de um pai para a sua descendência ainda é considerada controversa por muitos (Crédito: Alamy / Getty Images / BBC)

E saber que as conseqüências de nossas próprias ações e experiências agora poderiam afetar a vida de nossos filhos – mesmo muito antes que pudessem ser concebidos – poderia dar uma interpretação muito diferente sobre como escolhemos viver.

Não significa que meninas não sejam afetadas pelo trauma de seus pais, ou que a mulher não transmita de alguma forma as experiências traumáticas para a próxima geração. O que acontece é que os grupos pesquisados tinham em sua maioria grupos masculinos que apontam para tais resultados.

O termo TEPT (transtorno de estresse pós-traumático) é extremamente novo. Ele começou a ser reconhecido pela ciência no início dos anos 90.

Quase 30 anos depois, o transtorno do estresse pós-traumático é uma condição médica aceita que explica por que o legado do trauma pode se estender por décadas na vida de uma pessoa. E existem muitas definições sutis de trauma, que a maioria das pessoas desconhece.

Mas se o trauma é mostrado para ser transmitido para as gerações em seres humanos da mesma forma que parece ser em camundongos, não devemos sentir uma sensação de inevitabilidade. “Há uma maleabilidade no sistema.”

Da mesma forma que podemos herdar traumas, herdamos também capacidades e acima de tudo, estes traumas podem ser curadas através das novas técnicas descobertas pela neurociências.

E torna-se precioso compreender isso para não só nos livrarmos desta dor recorrente, mas também para curar os efeitos do trauma em nossas vidas pode acabar com isso ecoando ainda mais as gerações. Existe no Brasil vários profissionais especializados em atendimentos na abordagem Somatic Experience, considerada talvez a técnica mais efetiva na cura do trauma.

Fonte: BBC – As obras de arte neste artigo foram criadas por Javier Hirschfeld para a BBC. (por Martha Henriques)

Junte-se a mais de 260.000  que curtem Quero-Florescer e contribuem para um futuro melhor, compartilhando informações de qualidade. Siga também quero-florescer no instagram.

 

Interessado em conhecer mais sobre a terapia de trauma e grupos para liberação de estresse de cura de e ansiedade, conheça os trabalhos individuais e em grupo de Dev Swaran que é especializada entre outras, na Somatic Experience.

Imagem de capa:(Crédito: Alamy/Getty Images/BBC)