A pressão de viver refém de uma multidão de Pensamentos

Design sem nome

Há um bombardeio acontecendo e vindo de várias fontes, trazendo a informação de inúmeros problemas, tragédias, ameaças, desafios.

Muitos deles nos são apresentados com o interesse claro de capturar nossa atenção. A moioria no entanto destes estímulos que chegam, vem de pessoas que nos rodeiam e que estão completamente submersas em um redemoinho, muitas vezes ilusório, onde só conseguem ver problemas.

Quando se fala de meditação e muitas outras práticas para o bem estar, estamos falando de diminuir o tempo em que a atenção se ocupa desta multidão de pensamentos.

As pessoas pensam tanto, que acabam se confundindo com os pensamentos. Achando que o mundo e elas são aquilo que pensam.

Esta ideia pode parecer estranha em um primeiro momento.  Para auxiliar, vamos tomar emprestado uma música feita para crianças.

🎵… ” Imagine…
Que sua cabecinha seja uma argolinha, um canudo de mamão…
E que os pensamentos, fossem feitos de elementos como água e sabão…”
Nenhuma descrição de foto disponível.

Recentes pesquisas apontam que cada ser humano, produz entre 12 a 80 mil pensamentos por dia, sendo então a média de 20 mil pensamentos. É coisa demais!

E antes que surja a alegação de uma pseudo superioridade em relação aos animais, vegetais e minerais… A mesma pesquisa apontou que a maioria destes pensamentos são de experiências pessoais. Estão no passado ou no futuro. Em resumo… Ruminações.

Há uma forma de se cuidar para viver de forma mais leve CLIQUE

Baita poluição!

Quase nove bilhões de criaturas a pensar uma multidão de pensamentos desnecessários.

Limpinhos ou sujinhos… Seja lá como forem, é um destoar da orquestra da natureza, que não se pensa.

Como diz o Amado Mestre zen Satyaprem: “A Mente é o vírus.”

E tem cura?

No zen o cultivar do silêncio é o convite. Este silêncio precisa ser entendido. Não significa ficar d eboca fechada, e sim um aquietamento, onde independente do que você esteja a fazer,  há um distanciamento desta torrente de pensamentos. Um esvaziar pacífico.

Muitas pessoas depois de passar pelos programas da Florescer, se encantam pelo zen, meditação, arte e várias outras expressões deste aquietamento, pois desenvolveram estruturas e habilidades para esta pacificação e suavidade.


Uma experiência do mais profundo autocuidado. CLIQUE para saber mais:

Joelma Silva, psicóloga responsável pelos programas Florescer, ressalta, que por conta da educação e estilo de vida adotado pela maioria das pessoas, deixamos de desenvolver, muitos recursos que a própria natureza nos ofertou para vivermos de forma mais leve e harmônica.

Se não resgatamos este potencial, estamos fadados a viver refèns de nós mesmos, de dinâmicas internas automáticas e viciantes que devoram grande parte da vitalidade e bem estar.

A vida presenteia a todos com infinitas belezas e delicadezas todos os dias. A diferença entre aqueles que estão a sofrer e os que desfrutam destes presentes, não tem tanto  a ver com a circustâncias, e sim com o quanto desenvolvemos nossas raízes e ‘asas’ e a condição de ver e ouvir em profundidade a vida.

Sejamos nosso próprio ABRIGO e fiquemos com o mel do dia.

By: Florescer

× Precisa de Ajuda? Fale Comigo!